Lula, o farsante contumaz

Como sempre, a mesma cantilena de sempre, para a mesma plateia imbecil e cativa de sempre e vociferada pelo mesmo ignóbil farsante de sempre: Lula.

“Dilma não é mais do que uma extensão da gente lá. Nós seremos responsáveis pelos acertos e pelos erros que ela cometer”. Ignorante orgulhoso, ele imagina-se  acima de tudo, como se toda a população deve-se engolir, a exemplo dos militantes remunerados de seu partido de bandidagens, a obviedade de seu discurso recheado de colocações chulas, levianas e matreiras quando ninguém esquece quem é o criador de tão incompetente administração, sinônimo de corrupção e malversação de dinheiro público, sendo  desnecessário enfatizar que criador e criatura são oriundos do mesmo PT dos aloprados, mensaleiros e de assassinos signatários do FORUM DE SÃO PAULO.

Aprendiz de sofista, Lula tenta criar qualidade no fato de “Dilma não ser mais que sua extensão”, o que sempre foi óbvio para todos, tanto que as pilantragens do atual governo é também uma extensão de seu desgoverno, considerado o mais corrupto da história do Brasil!

 

Leia matéria abaixo:

O Estado de S.Paulo

Enquanto o povo estava nas ruas cobrando gestão governamental competente e sem corrupção, Luiz Inácio Lula da Silva escondeu-se como se não tivesse nada a ver com o assunto. Bastou as manifestações populares refluírem – ao que tudo indica, momentaneamente – para ele voltar. E voltou para mostrar que continua exatamente o mesmo, que não aprendeu nada com o retumbante “chega!” que a voz das ruas bradou para os políticos que se julgam muito espertos e capazes de manipular eternamente os anseios populares.

Em dois eventos públicos em dias sucessivos, em Brasília e em Salvador, o ex-presidente lançou mão de todos os recursos de seu arsenal do mais demagógico populismo, na tentativa de reverter a queda livre do prestígio do governo petista em todos os segmentos da população brasileira e em todas as regiões do País. Na verdade, mais do que preservar a imagem do governo e de sua pupila Dilma Rousseff, Lula demonstra estar preocupado em salvar o ameaçado projeto de poder do partido que comanda. E para tanto usou, como de hábito, seu melhor argumento de defesa: o ataque.

Na arenga de mais de uma hora no Festival da Mulher Afro, Latino-Americana e Caribenha, na terça-feira em Brasília, os dotes palanqueiros de Lula revelaram, como única novidade, a admissão implícita do enorme desgaste de Dilma Rousseff com suas repetidas trapalhadas na tentativa de dar satisfação aos protestos populares.

O script não foi diferente no dia seguinte, na capital baiana, durante evento comemorativo dos 10 anos de poder do PT. Depois de um encontro reservado de três horas que certamente não foi dedicado a comemorações – tempo relativamente curto, aliás, levando em conta o tamanho do prejuízo a recuperar -, Lula e Dilma subiram ao palanque montado pelo governador Jaques Wagner para, como de hábito, lançar sobre os ombros das “elites” a responsabilidade de todos os males que afligem o País e gabar feitos sem precedentes na história deste país.

O tema principal dos discursos da dupla foi a inflação, que flerta com o descontrole e é uma das facetas mais visíveis da incompetência do governo aparelhado pelo PT. Para Dilma, “não é verdade” que a inflação seja um problema, porque “este será o décimo ano seguido em que a inflação está sob rigoroso controle”. Não importa que o índice inflacionário se tenha mantido, nos últimos meses, no teto da meta, e não em seu centro, como ocorreria se estivesse efetivamente sob controle. E o argumento não estaria completo se, no melhor estilo lulopetista, algumas pedras não fossem lançadas sobre o passado: “E lembremos que nos últimos quatro anos anteriores ao governo Lula, em três a inflação ficou acima da meta”.

Por sua vez, Lula deixou bem clara a relação paternalista que mantém com sua sucessora, ao dar-lhe conselhos em público, com uma frase cheia de significados nada misteriosos: “Você, Dilminha, pode começar a fazer oposição a você mesma. Porque a gente pode fazer muito mais”. Manifestação típica da tática do morde-assopra que aparentemente o patrono do PT tem aplicado para “enquadrar” aquela cujas lambanças ameaçam comprometer seriamente a ambição da companheirada de se perpetuar no poder.

Lula anda tão obcecado com a ideia de corrigir os desacertos de Dilma que tem cometido gafes embaraçosas. No evento de Brasília declarou: “Dilma não é mais do que uma extensão da gente lá. Nós seremos responsáveis pelos acertos e pelos erros que ela cometer”. Descartada a hipótese de ele ter usado um “nós” majestático, que transformaria a frase em pura afronta à dignidade presidencial, em nada colabora para melhorar a imagem de Dilma a tentativa de coletivizar a responsabilidade que a ela, e somente a ela, cabe como chefe de Estado e de governo. É o velho truque de socializar os erros e privatizar os acertos.

Falando aos jornalistas depois do evento em Salvador, Lula deixou no ar uma frase capciosa: “Hoje, eu descubro o quanto eu poderia ter feito mais”.

Ressurge, assim, no proscênio político, para mostrar que o velho e ardiloso Lula continua sendo o que sempre foi.

Anúncios

SEU COMENTÁRIO É IMPORTANTE - OBRIGADO

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s