Dráusio, Martins, Camargo e Miragaia – VIVA O 9 DE JULHO!

ORGULHO DE SER PAULISTA

Rotogravura revela bastidores da Revolução de 1932 - noticias - O Estado de S. Paulo - Acervo Estadão - Google Chrome 2015-07-09 07.09.19

Se existe um caldeirão dos mais quentes no INFERNO, é nele que GETÚLIO VARGAS há de estar.

Após 84 dias de combates e com um saldo de cerca de mil mortos, a revolução chegou ao fim após a assinatura do armistício, em 2 de outubro de 1932. Derrotado no campo de batalha, o movimento viu seus objetivos políticos alcançados. Em 1933, Getúlio Vargas nomeou um paulista, Armando de Sales Oliveira, interventor de São Paulo. Em 1934 uma nova Constituição foi promulgada.

ORGULHO DE SER PAULISTA
ORGULHO DE SER PAULISTA

CLIQUE NO LINK ABAIXO

http://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,rotogravura-revela-bastidores-da-revolucao-de-1932,11238,0.htm

ORGULHO DE SER PAULISTA
ORGULHO DE SER PAULISTA

  Quem mora no Estado de São Paulo já começou a contagem regressiva: na próxima terça-feira, dia 9 de julho, é feriado. Mas você sabe o porquê

 O recesso foi criado em 1997, mas até hoje tem muita gente que ainda não sabe o motivo. O curioso é que no aniversário de 16 anos de existência desse feriado, sua memória nunca esteve tão viva. O dia 9 de julho é uma data que relembra um levante da população paulista contra o governo – a Revolução Constitucionalista de 1932 –, parecido com a onda recente de manifestações, que, coincidentemente, também teve em São Paulo uma de suas principais origens.

O ano era 1932 e fazia dois anos que Getúlio Vargas havia assumido a presidência da República, após um episódio que ficou conhecido como Revolução de 30. Ela colocou fim à República Velha e, apesar de ter entrado para a história com o nome de “Revolução”, consistiu, na verdade, em um golpe de Estado.

Getúlio perdeu as eleições de 1930 para Julio Prestes, candidato indicado pelo governo paulista. Durante toda a República Velha imperou a famosa política do café com leite, em que Minas Gerais e São Paulo se alternavam na indicação de candidatos à presidência da República. Essa prática, entretanto, acabara de ser rompida, quando o então presidente Washington Luís, indicado por SP, recusou-se a indicar um candidato mineiro.

Getúlio não se conformou com a derrota eleitoral e, apoiado principalmente pelos Estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraíba, começou a estruturar um golpe de Estado para impedir a posse do presidente eleito. Com apoio militar, o objetivo foi conquistado e Getúlio assumiu a presidência, dando início a um Governo Provisório.

ORGULHO DE DESCENDER DESTA GERAÇÃO
ORGULHO DE DESCENDER DESTA GERAÇÃO

Deste modo, o então presidente suspendeu a Constituição e nomeou interventores em todos os estados e dissolveu o congresso nacional, os congressos estaduais (câmaras e senados estaduais) e as câmaras municipais. Para São Paulo, o primeiro designado foi o tenente João Alberto Lins de Barros, seguido de uma série de sucessores que não agradavam a oligarquia paulista.

Em 1932 a irritação dos paulistas com Getúlio Vargas não cedeu com a nomeação do paulista Pedro Manuel de Toledo como interventor do estado, pois, devido à interferência constante dos tenentes, ele não conseguia autonomia para governar.

A primeira grande manifestação foi um megacomício na Praça da Sé, no dia do aniversário de São Paulo, em 25 de janeiro de 1932, com um público estimado em 200.000 pessoas. Em maio de 1932, ocorreram vários comícios constitucionalistas.

O Partido Republicano Paulista e o Partido Democrático de São Paulo, que antes apoiavam a Revolução de 1930, uniram-se, em fevereiro, na Frente Única para exigir o fim do “Governo Provisório” e uma nova Constituição. Assim, São Paulo inteiro estava contra Getúlio.

A gota d’água foi o assassinato de quatro estudantes paulistas por partidários de Getúlio. O episódio entrou

QUANDO SE TRATA DE MINHA TERRA, MEU PEITO É MEU ESCUDO
QUANDO SE TRATA DE MINHA TERRA, MEU PEITO É MEU ESCUDO

para história como M.M.D.C., as iniciais dos nomes dos jovens mortos: Miragaia, Martins, Dráusio e Camargo. A data do crime, 23 de maio de 1932, marcou o início de uma série de protestos. No dia 9 de julho, as manifestações incorporaram uma nova causa: a redemocratização através da elaboração de uma nova Constituição. Iniciava-se a Revolução Constitucionalista de 1932, nome oficial do feriado da próxima terça-feira.

Apesar de o Governo Provisório getulista insistir que a mobilização paulista era desnecessária, uma vez que já havia novas eleições marcadas, muitos historiadores acreditam que elas não teriam se concretizado sem os protestos. Mais de 35 mil paulistas lutaram contra 100 mil soldados de Vargas. Cerca de 890 pessoas morreram nos combates, que duraram até 2 de outubro de 1932, quando os revolucionários foram derrotados pelas tropas do governo.

Entretanto, várias conquistas democráticas posteriores são creditadas às manifestações paulistas. Em 1933, o povo elegeu uma Assembleia Nacional Constituinte para a elaboração da nova Constituição que entrou em vigência em 1934. Além disso, essas foram as primeiras eleições nacionais em que as mulheres puderam votar e também em que o voto foi secreto.

 O feriado de 9 de julho tem a cara do Brasil e deve servir para mostrar que as mobilizações populares, embora alcancem algumas conquistas, podem ser usadas também por outros interesses. Mas, ainda assim, isso não pode ser motivo para desmerecer ou desacreditar na força que o povo tem para promover mudanças políticas.

 Os Revolucionários lutaram contra a ditadura (ai, sim) de Getúlio Vargas para que pudéssemos ter uma Constituinte, e lutaram honrosamente nos campos de batalha, uma luta limpa, sem terrorismo, sem explosões de bombas em locais públicos, sem assalto a bancos e sem sequestros. O objetivo da Revolução Constitucionalista de 1.932 era claro e leal aos anseios de todos os Brasileiros. Não atendia a interesses ideológicos de um grupelho subordinado a ditadores comunistas , no caso Fidel Castro. Os Revolucionários de 1932 perderam no campo de balha, mas conseguiram criar uma situação de constrangimento ao ditador brasileiro de tal modo que, não tendo saída senão promulgar a  Constituinte de 1.934, e sem querer acabou por coroar os BRAVOS de 1.932. Enfim, os quatro do MMDC (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo) puderam descansar em paz onde somente os bravos, os leais e os puros de coração que lutam por um justo ideal podem habitar. Os terroristas, que  auto-intitulam-se  como “pais da democracia” (sic),que hoje encontram-se no poder deveriam envergonhar-se.

Anúncios

Um comentário em “Dráusio, Martins, Camargo e Miragaia – VIVA O 9 DE JULHO!

SEU COMENTÁRIO É IMPORTANTE - OBRIGADO

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s